quarta-feira, 31 de julho de 2013

História do Cerco de Lisboa

História do Cerco de Lisboa é uma obra do escritor português José Saramago.
José Saramago é um dos mais ilustres autores da língua portuguesa com um percurso literário que teve como ponto mais elevado o prémio Nobel com que foi laureado em 1998. O seu estilo, peculiar, arrojado, distinto, suscita enormes paixões e, ao mesmo tempo, profundos ódios. A forma como escreve torna a leitura dos seus livros um exercício de plena e absoluta concentração mas também uma experiência diferente.
História do Cerco de Lisboa segue a mesma linha que os romances que deste autor tivemos já oportunidade de ler com a particularidade de neste livro Saramago nos transportar ao Portugal medievo e à história da conquista de Lisboa pelo Rei D. Afonso Henriques.
No entanto, e ao contrário do que eventualmente poderia ser de supor, Saramago não narra apenas a conquista de Lisboa. O romance, que tem como personagem principal um revisor de nome Raimundo Silva, centra-se na construção por este último de uma versão histórica alternativa dos acontecimentos de há quase nove séculos. Pelo meio a habitual história de amor com que Saramago nos vai tentando entreter.
História do Cerco de Lisboa resulta de uma ideia relativamente original e é um livro bem construído à semelhança de outros títulos do autor português. No entanto não nos deixou especialmente fascinados e não revela todo o génio do Nobel português. Cremos, ainda assim, que não deixa de ser uma leitura superior à generalidade dos títulos que por aí vão entupindo os escaparates. Um livro a ler.

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Na Síria

Na Síria é um livro da famosa e fabulosa escrita Agatha Christie.
A literatura de viagens é uma das nossas grandes paixões. Ao longo dos últimos anos temos vindo a explorar este segmento com alegria e, em muitos casos, até alguma sofreguidão. Felizmente, cada vez mais existem publicações dentro deste estilo e não apenas através da tradução dos clássicos Bruce Chatwin ou Paul Theroux mas também de inúmeros escritores portugueses. A editora Tinta da China (uma das melhores editoras portuguesas) tem dado estampa a uma fascinante colecção dentro deste género coordenada por Carlos Vaz Marques.
Agatha Christie, uma das escritoras mais lidas da história, conhecida pelos seus incríveis romances policiais narra-nos, num livro de 1944, as suas aventuras no próximo-oriente e em especial na Síria, país historicamente muito rico e fértil em achados arqueológicos.
São precisamente as escavações arqueológicas a que Agatha Christie nos transporta nos anos imediatamente anteriores ao início da Segunda Guerra Mundial. Ao longo de várias temporadas são-nos relatados episódios das viagens, escavações e fantásticas personagens, bem como a multiculturalidade de um território povoados por tribos e povos muito heterogéneos e, em muitas circunstâncias, conflituosos. A pluralidade cultural que se encontrava naquele território, as idiossincrasias que lhes permitiam ser diferentes e únicos, as especificidades no trato, no modo de agir entre si e perante terceiros ou perante a vida e as adversidades fariam da Síria dos anos 30 um espaço incrivelmente fabuloso e apaixonante.
Este é um livro particularmente bem escrito e compreende-se bem o motivo porque Agatha Christie é uma das escritoras mais lidas em todo o mundo. O seu estilo, cristalino, loquaz faz- nos percorrer com alegria as quase 300 páginas desta obra. O seu sentido de humor – existem fragmentos verdadeiramente hilariantes – o joie de vivre presente em cada momento são um bálsamo para os leitores.
Na Síria é um excelente livro. Por vezes temo-nos referido a este género de obras como literatura de viagens. Será, sem dúvida! Mas é, acima de tudo o resto, literatura. E da melhor que existe por aí. Na Síria é indiscutivelmente um livro a ler!

segunda-feira, 15 de julho de 2013

O Cemitério de Praga

O Cemitério de Praga é um romance do escritor italiano Umberto Eco.
Umberto Eco é um dos nomes maiores da cultura mundial da actualidade. Eminente medievalista (com formação na área da filosofia, semiologia e linguística) é autor de, entre muitos outros, O Nome da Rosa, Baudolino ou O Pêndulo de Foucault.
Ao contrário do que acontece com a maioria dos romances históricos que pululam nos escaparates das livrarias os livros de Ecos reflectem a erudição profunda do seu autor e conseguem aliar a diversão de acompanhar uma boa narrativa com a informação pormenorizada mas fluida que resulta de um fundamentado tratamento real por quem verdadeiramente conhece os sobressaltos da história.
O Cemitério de Praga é um livro absolutamente fabuloso que narra a vida de Simonini ou Dalla Piccola ao longo de grande parte do incrível século XIX perpassando, neste período, acontecimentos tão importantes como o processo de unificação italiana ou a Comuna de Paris. Ao mesmo tempo aborda algumas das mais fantasiosas problemáticas do século como a maçonaria ou a questão anti-semita.
Destaque, entre as matérias tratadas no livro, para a que se relaciona com o aprofundamento teórico do anti-semitismo e que redundariam nos apócrifos Protocolos dos Sábios de Sião, obra de interesse indiscutível para a compreensão do fenómeno anti-semita que irá concretizar-se de forma dramática durante o século XX com o holocausto judeu!
O Cemitério de Praga é um livro particularmente bem escrito capaz de prender à leitura o leitor médio. As personagens do livro são (com excepção de Simonini/Dalla Piccola) reais. As consequências históricas são também reais. Este é um livro de eleição, um extraordinário romance histórico de uma das mentes mais brilhantes ainda vivas. Uma obra a não perder!