domingo, 26 de junho de 2011

Combateremos a Sombra

Combateremos a Sombra é um romance da escritora portuguesa Lídia Jorge.
Lídia Jorge é uma conhecida e reputada escritora portuguesa, autora de romances, contos e uma peça de teatro e vencedora uma extensa lista de prémios, nacionais e estrangeiros. Entre as suas obras mais conhecidas encontra-se A Costa dos Murmúrios.
Foi, naturalmente, com grande expectativa que iniciámos a leitura de Combateremos a Sombra, a primeira obra que tivemos oportunidade de ler da autoria de Lídia Jorge.
Combateremos a Sombra é um extenso romance que se prolonga por quase quinhentas páginas e conta a história de Osvaldo Campos, psiquiatra, que se vê afogado num turbilhão de acontecimentos que vão afectar a sua vida pessoal e profissional.
Lídia Jorge é uma autora de escrita simples. Não faz uso de grandes recursos estilísticos ou de um vocabulário demasiadamente denso. Capítulos dentro da medida e personagens que, embora pobres, estão razoavelmente bem descritas.
No entanto, Combateremos a Sombra é um fraco romance. A narrativa, centrada numa tríade que inclui, para além do psiquiatra, uma paciente e uma jovem fotógrafa refugiada num apartamento numa avenida fictícia de Lisboa, parece mais o guião de uma má telenovela. Talvez porque o romance esteja sempre no fio da navalha para passar a policial.
Não ficámos nada impressionados com Lídia Jorge e muito menos ainda com Combateremos a Sombra. Esperávamos que, de uma autora vencedora de tantos prémios, tivesse surgido uma obra cativante, de bom argumento e com alguma argúcia e brilho estético. Certamente que, proximamente, não voltaremos a esta escritora.

domingo, 12 de junho de 2011

A Nuvem de Smog e A Formiga Argentina

A Nuvem de Smog e A Formiga Argentina são dois contos da autoria de Italo Calvino e que, juntos, compõem um dos mais interessantes livros do escritor italiano.
Nos últimos anos temos vindo a ler, pausadamente, a obra do grande mestre italiano Calvino. Entre Cidades Invisíveis, Todas as Cosmicómicas, O Barão Trepador e outros, temos encontrado sempre livros que nos prendem pela irrealidade onde nos fazem navegar, pela loucura expressamente declarada e ilusão maravilhosa com que presenteiam o leitor.
Este livro, que junta dois pequenos contos, é um pouco diferente. Em a A Nuvem de Smog, a história de um homem, anónimo, que percorre as ruas do quotidiano, e onde parece ser personagem secundária. Um conto tentado a tornar-se outra coisa qualquer, como refere o próprio autor. Bem verdade. A Nuvem de Smog, poderia muito bem ter sido um romance e não um conto.
Em A Formiga Argentina, a história de uma invasão de formigas na Riviera. Por vezes, os críticos de literatura, tendem a ter visões extrapoladas sobre a obra dos autores. E Calvino nega, neste caso, as interpretações feitas por estes críticos que viam uma realidade onírico-kafkiana aponto-o como o mais realista e biográfico conto que escreveu na vida.
Calvino é um escritor que nos prende sempre às suas narrativas. Sejam pintadas sobre a realidade ou fruto de uma miraculosa imaginação, Italino Calvino tinha a imensa capacidade dos grandes contadores de histórias. A Nuvem de Smog e A Formiga Argentina é um excelente exemplo destas duas realidades.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Miguel Street

Miguel Street é uma muito interessante obra de Vidiadhar Surajprasad Naipaul, escritor britânico nascido em Trinidade e Tobago, e prémio Nobel da Literatura em 2001.
Naipaul, de quem já tínhamos lido Sementes Mágicas, faz-nos, neste Miguel Street, viajar até uma rua na cidade de Porto de Espanha em Trinidade e Tobago e apresenta-nos alguns dos seus moradores e as suas histórias de vida.
Miguel Street é um livro muito divertido e quase caricatural. Através de uma miríade de personagens é-nos dado a conhecer esta ilha das Caraíbas e o seu louco modo de vida que é, tanto descontraído, como ao mesmo tempo repleto de imagens que revelam a pobreza das suas gentes.
Em Sementes Mágicas tínhamos encontrado uma obra um pouco mais densa e com um conteúdo mais etéreo. Em Miguel Street, pelo contrário, somos confrontados com um romance bastante descontraído. A ideia de descrever, através de várias e diferentes personagens, a vida de uma rua num país das Caraíbas é muito original e resulta na perfeição.
Miguel Street é um livro de fácil leitura e que prende a atenção do leitor do início ao fim. Talvez não seja a obra-prima de Naipaul, mas é, indiscutivelmente um bom livro. Recomenda-se!