terça-feira, 8 de novembro de 2011

São Jorge dos Ilhéus

São Jorge dos Ilhéus é um interessantíssimo romance de um dos maiores escritores brasileiros de todos os tempos: Jorge Amado.
Nunca antes nos tínhamos abalançado na leitura da obra de Jorge Amado. Muito conhecido, entre nós pelos romances que resultaram em telenovelas – Tieta do Agreste, Gabriela Cravo e Canela, Dona Flor e os seus Dois Maridos, entre outros – escreveu ainda, entre várias outras obras, Capitães da Areia, provavelmente a sua obra-prima.
São Jorge dos Ilhéus é um óptimo romance, combinando, ao mesmo tempo, a crítica social e política com um relato sobre a indústria do cacau no Brasil do início do segundo quartel do século XX.
Nesta obra encontramos uma multiplicidade de personagens – sem que nenhuma seja verdadeiramente o centro da narrativa – ao bom estilo de uma novela. Personagens estas perfeitamente caracterizadas, polidas com fulgência, com cheiro e sabor a Brasil. Entre negros, e coronéis, passando pelo retrato de um mundo político em mudança – a ascensão do integralismo, do comunismo e do imperialismo – repleto de crítica de costumes, Jorge Amado proporciona aos leitores uma narração divertida e simples mas que, de forma paradoxal, permite também a reflexão sobre temáticas de grande profundidade intelectual.
Não é por acaso que Jorge Amado é considerado um dos maiores escritores de língua portuguesa de todos os tempos. Apesar das suas opiniões políticas estarem vertidas em todo o texto – poderia ser doutra forma? – Jorge Amado revela-se como um brilhante contador de histórias, onde negros, coronéis, prostitutas e exportadores assumem o papel principal.
São Jorge de Ilhéus é um bom livro que abre o apetite para a leitura da restante obra de um dos grandes escritores do século XX. Recomenda-se!

2 comentários:

Tiago M. Franco disse...

Os Capitães da Areia foi um dos melhores livros que li ate hoje.

Landa disse...

São Jorge dos Ilhéus foi o primeiro livro que li do Jorge Amado e gostei muito. Só tenho pena de não ter lido primeiro as "terras de sem fim" que, pelo que ouvi falar, trata-se da primeira parte desta história, na altura em que os coronéis iniciam a exploração do cacau e antes dos exploradores manipularem a indústria do cacau.