sábado, 30 de abril de 2011

A casa do silêncio

A casa do silêncio é um romance do escritor turco Orhan Pamuk, prémio Nobel da Literatura em 2006.
Pamuk era um autor desconhecido para nós, pois nunca antes tínhamos tido a oportunidade de ler nenhuma obra do Nobel turco. A casa do silêncio parece-nos ter sido um bom mote inicial.
A casa do silêncio está repleta de referências de carácter cultural, histórico e político. Impressionante a forma simples com que algumas questões de enorme complexidade são introduzidas no corpo do romance e a maneira como as personagens são moldadas nesse sentido.
Pamuk pareceu-nos um escritor de verdadeira classe. Sobretudo porque escreve de forma simples. Tal não significa que as personagens não sejam de enorme profundidade.
Em A casa do silêncio existem seis narradores diferentes: homens e mulheres; novos e velhos; ricos e pobres. E a riqueza destas personagens – bem como a multiplicidade de perspectivas que uma história contada nestes moldes oferece – confere um especial perfume a um ambiente carregado e denso.
A casa do silêncio é um óptimo livro. As analepses recorrentes – em particular com Fatma, personagens principal do romance – permitem introduzir questões são relevantes na cultura de um país muçulmano como as da morte, de Deus, do adultério ou do álcool. Decididamente, Pamuk é um autor para continuar a ler e este seu romance, definitivamente a ler.

1 comentário:

Marco Caetano disse...

Olá Filipe,

Fico contente que tenha descoberto Orhan Pamuk, que tenha gostado e que tenha começado por este livro.

Pamuk é um dos meus autores contemporâneos preferidos. Recomendo vivamente que leia O Museu da Inocência. É excelente.

Se tiver curiosidade, tenho no meu blogue o que achei sobre ambos!

Continuação de boas letras...