quinta-feira, 24 de março de 2011

Sôbolos rios que vão

Sôbolos rios que vão, é o mais recente livro – provavelmente o mais autobiográfico de todos – de António Lobo Antunes, escritor português, autor de uma vasta obra, e recentemente agraciado com um doutoramento Honoris Causa pela Universidade de Lisboa. Curiosa a recepção, no título, de Camões!
Não é a primeira vez que trazemos aqui uma obra de Lobo Antunes. Todos os seus leitores conhecem a dificuldade que é entrar dentro de um mundo onde os planos, aparentemente, correm muitas paralelamente e os cenários se confrontam em choques verdadeiramente titânicos. Os livros de Lobo Antunes são assim, ciclópicos, entusiasmantes, aterradoramente perturbadores e complexos.
O mesmo se passa com este Sôbolos rios que vão, uma metáfora que decorre no espaço de quinze dias, de 21 de Março a 4 de Abril. A temática é a doença. E dentro da doença, as recordações, a vergonha, a dúvida.
Lobo Antunes é um génio! Apenas os iluminados conseguem escrever sobre os pensamentos e torná-los claros. Apenas os dotados são capazes de entrar tão profundamente nos profundos significados da alma humana e de retirar – tantas vezes violentamente – o sumo da existência e até da própria inexistência.
Estamos definitivamente convertidos. Se inicialmente foi difícil compreender os meandros do pensamento deste genial escritor português, hoje somos capazes de olhar para a sua obra da única forma que ela pode ser vida. É que a poesia – ainda que feita de prosa – tem de ser lida com a alma. Sôbolos rios que vão, é magnífico!

2 comentários:

Patrícia disse...

Quando lei criticas a Lobo Antunes fico sempre um pouco desgostosa: é que não consegui ainda acabar o único livro dele que tentei ler (O arquipélago da insónia).É a primeira vez que me acontece não perceber patavina de um livro. Gostar nem sempre acontece mas ter que ler n vezes (e ficar quase na mesma) foi mesmo a primeira vez.
Boas leituras
Patrícia

Tiago M. Franco disse...

Sinceramente, além do livro ser de difícil leitura, gostei bastante da escrita de Lobo Antunes. O livro tem o poder de nos fazer pensar.