terça-feira, 14 de dezembro de 2010

O apocalipse dos trabalhadores

O apocalipse dos trabalhadores é um dos primeiros trabalhos de um dos mais proeminentes escritores portugueses da nova geração, Valter Hugo Mãe.
Hugo Mãe, que nos fascinou absolutamente com A máquina de fazer espanhóis, voltou a faze-lo (embora este O apocalipse dos trabalhadores seja um livro anterior) com a magnífica obra que ora apresentamos.
Já conhecíamos o estilo avassalador da escrita de Hugo Mãe que, através de história simples mas de enorme profundidade, nos dão a conhecer muitos dos traços actuais da vida em sociedade e do mundo português. Em O apocalipse dos trabalhadores conhecemos a história de duas mulheres-a-dias, um velho reformado e um jovem ucraniano a viver em Portugal.
Aparentemente, esta poderia ser a narrativa de uma qualquer telenovela de horário nobre. A diferença é que Hugo Mãe conta a história de forma brilhante, dando a conhecer os anseios, as perturbações e as expectativas de indivíduos que poderíamos reconhecer em tantas das pessoas que encontramos todos os dias.
Para mais – e provavelmente o mais brilhante desta obra – Hugo Mãe ficciona sonhos da personagem principal – Maria da Graça – com São Pedro e a tentativa que esta faz – no mundo de Morfeu – de voltar à conversa como seu antigo patrão – que dela abusava sexualmente – por quem se havia apaixonado!
O apocalipse dos trabalhadores é uma obra admirável. O mundo das letras em português é, indiscutivelmente, mais rico devido à presença de Valter Hugo Mãe e da sua mirabolante imaginação. Este é um livro indispensável!

Sem comentários: