quinta-feira, 29 de abril de 2010

Estrela Distante

Estrela Distante é um pequeno romance de um dos mais lidos escritores chilenos do momento Roberto Bolaño.
Ao longo dos últimos anos temo-nos habituado a ler e apreciar muitos escritores sul-americanos sobretudo devido à força estonteante como escrevem e como se debruçam sobre as graves e diversas convulsões sociopolíticas da região. Estrela Distante é precisamente, apesar de muitas diferenças assinaláveis, um dos exemplos desta realidade.
Nesta obra – a primeira que tivemos oportunidade de ler deste autor – encontramos bem plasmada a crítica/reflexão sobre os problemas associados à ditadura chilena. E, embora poeticamente, o autor não esconde a dureza dessa realidade nem as perturbações da mesma na vida diária de milhões de chilenos.
Apesar de tudo, Estrela Errante é também, apesar de não ser o ser só, um livro sobre um homem e sobre arte. O homem é Ruiz-Tagle ou Wieder e a arte é a poesia ainda que esta esteja ao serviço do mal.
Estrela Distante é um livro poderoso e é, ao mesmo tempo, um livro complicado e pouco acessível para o normal leitor. Isto porque nem sempre é fácil seguir o pensamento intrincado do autor no que diz respeito aos factos relatados visto que nos pareceu que Bolaño não prima pela simplicidade na sua escrita.
Bolaño é um escritor em ascensão no nosso país sobretudo depois da publicação de 2666. Apesar de tudo Estrela Distante não nos convenceu do brilhantismo deste escritor. Não é que o livro seja mau mas não é tão bom como aquilo que dele querem fazer.

1 comentário:

Bill disse...

És doido. Que barbaridade...