terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

O homem sem qualidades II

Depois de várias horas de volta de Robert Musil, apresentamos desta feita a crítica ao segundo volume de O homem sem qualidades, magna obra deste escritor austríaco que a deixou incompleta.
O segundo volume desta obra, inicia-se com a morte do pai da personagem principal. Na sequência deste acontecimento, Urlich desloca-se até à sua terra natal onde vem a redescobrir a sua única irmã, sendo que a partir daí, todo o segundo volume recentra a sua orientação na relação entre os dois irmãos.
A ideia central da narrativa, não é apesar de tudo, afastada. Continua-se numa demanda por uma ideia fantástica, aludindo-se frequentemente a problemas metafísicos dissertando o autor sobre os mesmos. Parece-nos inclusive, que toda a narrativa apenas acontece para que Musil possa expor os seus pensamentos de uma forma mais ou menos ordenada.
Este volume de O homem sem qualidades não é o derradeiro, na medida em que existem notas para um terceiro volume que deverão ser editadas durante este ano.
Não podemos negar que ler esta obra de Musil é um feito complicado. Não sendo um romance – apesar da similitude em alguns momentos – o ritmo de leitura é lento e muitas vezes difícil de compreender.
Apesar de tudo é uma obra de referência.

3 comentários:

Só para Pessoas Cultas disse...

Olá!

Somos um grupo de jovens dos 10 aos 14 anos que participa num clube de leitura.Criámos um blog... dá uma olhadela

Bjs

Ps. vou adicionar-te aos meus links

Iceman disse...

Ora aí está uma obra cuja curiosidade me levou a colocá-la em lista de espera e quanto mais críticas/opiniões leio, mas entusiamado fico.

Mas por outro lado sinto que não estou ainda no momento certo para a sua leitura.

João disse...

Tem um prémio lá no "Livros e Leituras" para este blog!

Abraços