segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Meu Portugal brasileiro

Meu Portugal brasileiro é o mais recente romance de José Jorge Letria, conhecido jornalista, que retrata a estória de um jovem militar português que se vê envolvido na rocambolesca debandada portuguesa para o Brasil a quando das invasões francesas.
Este livro é um típico romance histórico que trata um tema que tema que tem preenchido muitas páginas ao longo dos últimos anos: a presença da corte portuguesa no Brasil e a subsequente independência deste país.
José Jorge Letria, baseando-se numa personagem fictícia, ilustra-nos ao longo desta obra a realidade da corte portuguesa naquele território da América do Sul e elucida-nos sobre a realidade da família real e do crescimento da colónia até atingir o patamar de maturidade política que lhe permitiu a independência sob o império de D. Pedro.
Para embelezar uma estória que não tem nada de original, o autor pinta-nos a realidade através de um jovem militar que acompanha de perto a realidade da corte. A particularidade da estória, é que José Jorge Letria confere uma importância decisiva a esta personagem que ocupa, na primeira pessoa, o centro da narrativa.
Esta é uma obra agradável, embora padeça de dois grandes vícios: em primeiro lugar o autor, na tentativa de querer ser historicamente correcto, inclui demasiados pormenores na narrativa, mesmo que os mesmos não se enquadrem na globalidade da obra; em segundo lugar, a forma como a personagem principal está criada é surreal, na medida em que representa o homem perfeito que praticamente só tem virtudes. É culto, cavalheiro, erudito, leal, submisso, curioso, galante entre um conjunto de outros adjectivos que apenas o beneficiariam.
No computo geral, podemos dizer que é um livro simpático e de leitura fácil e que para os amantes deste período da história poderá ser uma mais-valia.

3 comentários:

Mary disse...

Estive com este livro na mão no FNAC e estava mesmo para trazê-lo. O Brasil fascina-me e a tua crítica deixou-me um bocadinho curiosa.
Vou tentar ler...

p disse...

Escreve-se "aquando", não "a quando". Já é a segunda ou terceira vez que vejo aqui esse erro e não pude deixar de te chamar à atenção.

À parte isso, gosto muito deste blogue.

Pedro disse...

Já li "Amados Cães" do mesmo autor. Gostei do livro, mas não é um autor que me chame a atenção. Talvez, se comprar este, talvez fique ainda mais interessado...