terça-feira, 9 de setembro de 2008

As vinhas da ira

As vinhas da ira é uma obra de John Steinbeck – escritor norte-americano que recebeu o Prémio Nobel da Literaturatura em 1962 – que conta a estória da família Joad, que após ter visto as suas terras de cultivo fustigas por anos vários anos de seca e de tempestades de areia, foi obrigada a abandonar o lar – Estados do Texas e de Oklahoma – em direcção à Califórnia numa ténue tentativa de encontrar trabalho.
Este livro de Steinbeck, apesar de ser um relato ficcional tem por base uma realidade que assolou os Estados Unidos da América na década de 30 do século passado.
A jornada da família Joad é o resultado conjugado dos efeitos nefastos da Grande Depressão de 1929 e as secas e tempestades de poeira no Sul do Estados Unidos da América.
Esta é uma obra comovente. As dificuldades enfrentadas por esta família – que personificam a estória de milhares de outras famílias nas mesmas condições – são aterradoramente tristes.
Obrigados a percorrer milhares de quilómetros, longe do conforto do lar, a família Joad vai-se lentamente desmembrando.
Perseguidos – devido à sua proveniência – e explorados – devido ao excesso de mão-de-obra disponível devido às migrações em massa – os Joad conseguem sempre, porque se esforçam por manter unidos durante o maior tempo possíveis, ir ultrapassando as suas dificuldades, quase sempre conseguindo manter a cabeça erguida.
Na nossa opinião, é possível que este não seja apenas uma mero romance. De uma determinada perspectiva, este pode ser um manifesto político de esquerda que reage contra os latifúndios continentais dos grandes proprietários face à pobreza estrema dos sem terra da década de 30 americana.
Ficámos impressionados com a qualidade da descrição e da capacidade do autor nos manter presos a este livro. Apesar de ter, na nossa opinião, uma profunda carga política, este não deixa de ser um maravilhoso romance e uma obra-prima da literatura americana do século XX que não podemos deixar de aconselhar.

2 comentários:

IM disse...

Fica na memória de qualquer um a imagem das últimas frases do livro...

GONIO disse...

Li este livro há uns bons 20 anos, ainda adolescente, e também retenho na memória a fortíssima imagem final. Espero reler esta obra notável de Steinbeck.